Pesquisar neste blogue

domingo, 7 de julho de 2013

O voo da noite - Parte 5/8


Quantas vezes se debruçara sobre os balcões de check-in, era uma equação de variáveis indefinidas, perdidas nos horários trocados de uma massa humana que freneticamente se deslocava permanentemente de um lugar para outro, em complicadas manobras de segurança, bagagem, vistos e passaportes, novos tempos e novos hábitos de latitudes longínquas a que L. já se tinha adaptado

Incomodavam-lhe mesmo as facilidades aduaneiras europeias quando, cada vez mais esporadicamente, regressava ao velho continente.

E, enquanto abria mais uma vez a sua mala, sem se importar nem questionar com a sua utilidade, constatava divertido que, por estas bandas, as revistas e os controlos eram sempre desempenhados por mestiços profundos de feições carregadas e olhar frio e cortante, mas que as suas mãos enluvadas apenas acariciavam a roupa, sem entrar em detalhes, esperançados de nada de suspeito encontrar.

Mais um raio X na mala de um caixeiro-viajante da era moderna, adormeceu L. da atmosfera pesada, noturna e de luzes de néon amareladas de tão gastas, da área de embarque e transportou-o para a viagem de partida para as Américas.

Ou seria a de regresso, considerando as circunstâncias e a sua fulgurante ascensão na nova vida de (i) emigrante.

Corria atrás do Ocidente numa tarde que não tinha fim. Deixara a sua vida por resolver e, da cabine da aeronave lotada, olhava a profundidade temerária que ressaltava a turbulência em imagens de abismo.

Não entendia na altura se era o abismo do profundo mar azul e do deserto humano que se espelhava nos areais do Sahara e de Cabo Verde, ou apenas uma vida que se desmoronava num exílio fora de época.

Sentia-se apenas confortado pelo facto do Sol ser amigo, porque sobrevoa sempre as nuvens e por não vislumbrar fenómenos do fim do mundo como árvores plantadas no céu.

Imaginava Buenos Aires, como serão os cheiros da manhã nos mercados, nas cervejarias, será verdade o ritual do café sem pressas, como se fizesse parte da sua função no mundo observar os outros, imaginar as vidas de quem se atreve a passar, não há nenhum impedimento em construirmos histórias ao sabor lento do café e tinha saudades de Lisboa, como se o oceano me estivesse a esticar de forma intolerável entre dois mundos.

A realidade a dez mil metros de altitude, despertava-o para uma aula de ritual dos porteños e, como se fosse natural recomeçar a andar, aprendia como imaginar a segunda vida dos que o tentam lixar a vida

“Tal como eles não imaginam a minha segunda vida!”

Procurava entre a turbulência, as subidas e descidas e o apertar os cintos não me enredar nas nuvens, regressar à construção do meu mito sobre o novo mundo, calibrar a nossa expectativa, porteños de beleza impura que envolve as tradições submetidas ao Tango, os cheiros e as cores, as referências obrigatórias ao início do século XX, cafés e tertúlias, a intelectualidade e a ditadura, Borges e Gardel, o Déco que impõe ainda hoje o ritmo da modernidade

E as saudades das suas referências de passado em glória e tragédia nacional, um fado que nunca ouvia, pareciam-lhe agora intoleráveis enquanto sobrevoava, em descida prolongada, a colónia de Sacramento.

21:07, a tarde esgotou-se finalmente no início de noite e sentiu o céu vermelhão escuro na cauda do Airbus; Atravessara meio mundo sem mudar de língua e, no aterrar da segunda vida (ou seria o descolar da segunda e aterrar da primeira?), e assegurava que a visão argentina do universo hispânico, seria uma versão claramente melhorada do original.

Assim acreditava porque tinha atravessado o mundo nessa esperança

E. esperava-o na cidade do Tango….