Pesquisar neste blogue

domingo, 14 de julho de 2013

10 Horas no bairro da manhã


Fora do centro, a cidade é uma aldeia a acordar.
Por detrás das alamedas pejadas de árvores, o nevoeiro desvanece-se gradualmente por entre os blocos de bairros encardidos e populares, a forma como a cidade formatou as populações rurais que a invadiram, décadas atrás de décadas
Às 10 horas no bairro da manhã, a aldeia cobre a cidade de um manto de roupas estendidas nas varandas enferrujadas da propriedade camarária, e a rua transforma-se numa oficina improvisada, na vespa de caixa fechada estacionada na erva que cresce nos espaços vazios, um velho de camisola interior de manga cavada que manipula ferramentas e vende serviços rápidos, as couves que crescem como cogumelos na berma das ruas e veredas e os muros de pedra que sobrevivem aos novos blocos de apartamento que circundam a aldeia, bem no centro da cidade.
Um junkie alienado ronda a montra do supermercado sem destino próprio, permanece apátrida na fronteira da aldeia como um deslocado permanente, uma mente aldeã que procurou descer à cidade, e caiu.
Às 10 horas no bairro da manhã, a aldeia expatriada vive em torno da igreja e do cerimonial aos mortos, numa agitação social apenas comparável ao mercado da fruta.
No cemitério do bairro não há ervas daninhas e os canteiros floridos cobrem a pedra numa palete de cores vivas, num cerimonial permanente de homenagem e lembrança.
Como na aldeia da sua origem comum!