Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O folclore americano em CheckPoint Charlie





A pequena ilha do amor-próprio americano nasce e retira-se para uma eventual reencarnação noutra civilização fantasmagórica, apenas num só e pequeno quarteirão, como uma espécie dos quinze minutos de fama, no mundo e na vida.
O museu mais anárquico, panfletário, emocionalmente instável e artisticamente discutível, que se expande a cada ano para novas alas e para novas causas da crença ocidental (cruzadas ocidentalistas ao estilo da internacional (defunta) comunista) e que, quando se encontrava junto ao muro era uma provocação intencional, uma espécie de réplica ocidental das torres de vigia orientais, hoje apenas um uma memorial parada de estrelas que nem o rato Mickey desdenharia.
A guarita do soldado americano era um louco, multinacional e furioso flash point, que tornava virtualmente impossível qualquer reflexão ou memória, tal era o ruído – som, luz e congestionamento pedonal – e o fervor luminoso da diáspora americana: Donald, Bucks e outras histórias.
Tudo num pequeno e isolado quarteirão. Poucos metros acima e abaixo, Berlim recompõe-se deste enxame e readquire a sua compostura: elegância e tecnológica Friedrichstrasse acima e a boémia e inconformista Kreuzberg, rua abaixo.