Pesquisar neste blogue

sábado, 5 de setembro de 2015

Wicked




Are people born wicked?
(As pessoas nascem perversas? – Tradução livre)

Elphaba e Glinda

Elphaba, a bruxa perversa do Oeste que nasceu verde, uma espécie de marca de um amor adúltero, não é mais do que uma agitadora política contra a opressão do maravilhoso feiticeiro de Oz.
Afinal, Elphaba era apenas diferente.

Glinda a fada boa do reino era afinal fútil, interesseira e servia os interesses do maléfico feiticeiro, para enfeitiçar o povo com a sua beleza.

Mas, porque o acaso assim o quis, Elphaba e Glinda eram almas gémeas, mas não sabiam.
Escolheram diferentes ângulos “Most of the people, sometimes in his life, change ideals for protection and need for a leading role”
Outros não.
“You do not have a real power, that’s why you need spies, guardians and you banned animals from teaching”
Glinda e Elphaba e uma fábula, e um reino de animais sábios.
Aparência e realidade
Glamour e miséria
Parecer e ser
Patriota e traidor
Propaganda e castigo
Escândalo e verdade.

“ Tu és tudo o que eu jamais seria capaz de fazer, mas és minha amiga”
“Because I knew you, I have been changed for good…”
Elphaba e Glinda
Lie & giving hope
Ângulos diferentes

Um mundo de estranheza e bizarria
Ou um pequeno dia de ambiguidade na (no fascínio pela) cidade das Esmeraldas.
Gregory Maguire escreveu o romance Wicked: The life and times of the wicked witch of the west em 1990, quando as tropas do Iraque invadiram o Koweit, Nelson Mandela foi libertado após vinte e sete anos de cativeiro, as Alemanhas reunificaram-se e Margaret Thatcher resignou do poder.
E revisita as noções de obrigação social e coragem pessoal numa época de descrença nas lideranças e no exercício do poder.
O final é ambíguo, porque a heroína salva-se mas sai de cena sem glória.
Ostracizada e expulsa, simulou a sua morte para fugir à fúria de um povo enfeitiçado.
Desiste de tentar (explicar) mudar a cidade das Esmeraldas, de ser mártir, e recolhe-se no confortável amor de Boq (o vértice do triângulo do amor)
E nada pareceu mudar na cidade das Esmeraldas, Glinda coroada e feiticeiro em desgraça.
O autor não resistiu ao mundo que o rodeia.
Muito diferente do apoteótico e sangrento final dos jovens miseráveis das barricadas de Paris
Tempos modernos.
Folheio os jornais do dia e já sinto a falta de Elphaba.
Consolo-me com a música e com o espetáculo de cor.

Soberbo como sempre



Volto a folhear os jornais de hoje e entendo a Elphaba!