Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Trump City


“Give me a dollar or I’ll vote for Trump”
A cidade veste-se de sinais inequívocos. Não há local mais hostil que a grande metrópole.
Os mendigos alinham a mensagem com os artesãos, os sacerdotes rezam preces e invadem os ares de mensagens bíblicas, os resistentes colam cartazes e expressam uma indignação tão leviana quanto a boémia permite, os grafitters pintam imagens de anticristo e a cidade inclui o homem no folclore das novas manifestações de arte de vanguarda 


Nova York está para a América, como Londres está para Inglaterra: gostam do mundo, tendem a lidar com os absurdos com arte e humor, respondem ao extremismo com vanguarda e subestimam o improvável.
Nem mesmo o cabeçudo que agitava a desproporcionada cabeça de plástico em frente ao edifício de mármore de uma ostentação, agora soberana e eleitoral, consegue gerar mais do que breves sorrisos dos transeuntes indiferentes ou dos polícias acidentais que discutem retórica com uma mão no ombro dele e outra de olho no trânsito.
Sem sirenes, nem jatos de água.



Na quinta avenida, numa sexta-feira de calor sufocante, a aguardar uma trovoada que o céu de chumbo anuncia, e que os residentes esperam, traga água.
E, se no final do dia, ninguém lhes der um dólar, sequer?
É que à grande maçã, nem sequer lhe é reconhecida, o estatuto de capital de estado.