Pesquisar neste blogue

domingo, 4 de março de 2012

Cap Vert - Jonas qui aura plus 25 ans en l'an 2030


É uma visão de conto encantado, um futuro na terra prometida, equidistante dos conflitos e dos extremismos, fiel à sua localização atlântica, central, entreposto e praias de uma sedução sem fim.

http://atlantico-weekly.com/cape-verde-in-2030/

Pretende ser proféctico. Será? 
Não sei se é verdade, se é pelo menos exequível mas é um plano estratégico plausível, baseado no fascínio mundial pelo exótico de sabores mornos (e mornas) e sem as loucas histerias tribais do continente.
É um bom presságio para esta recém descoberta e improvável wonderland emersa dos vulcões e dos desertos, promessa verdejante que vem do mar, das aparentes fraquezas vistas de um prisma positivo (e estratégico) e do além-mar!
Lembremo-nos apenas que nem todo o desenvolvimento se constroi de cimento!
Os miudos ( que em 2030 terão provavelmente mais de 25 anos) merecem!
Mesmo que seja apenas uma profecia!



Lembrei-me das profecias da nossa infância: muito mais politizadas, socialmente complexas, incluíam uma vasta legião de perdedores e destruiam em cada cena a possibilidade de encontrarmos alguma terra prometida.

Quem não se lembra do icone de Alain Tanner em 1976 quando esperávamos que Jonas tivesse 25 anos no ano 2000?



  
Em 2012, nós, sul latinos europeus, que tínhamos (um pouco) mais de 25 anos no ano 2000, olhamos para esta nova visão sedutora e sensorial (numa outra e mais madura perspectiva) de reforma que provavelmente não vamos ter...ou não...como um lugar ao Sol na linha dos trópicos!

Perdemos mesmo a conciência ideológica!