Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Diz olá ao amor da tua vida!


Estamos diferentes, a diáspora não é mais o único reconhecimento exterior.
Somos um lugar de novos encantos, uma centralidade periférica
É verdade que muita da nossa essência tende a perder-se na incessante procura de transformar as nossas tascas de hora de almoço em vizinhanças elegantes de uma nova baixa de hotéis de charme, com subida de preços incluída e a inevitável perda de mão e de sentido prático das velhas cozinheiras de província.
Ninguém explicou à pouco cordial nova gerente de loja trendy chi(o)que que o arroz de polvo ao almoço, pressupõe um polvo previamente cozinhado.
É indiscutível que já começamos a tropeçar nas nossas próprias pernas e somos frequentemente abalroados por óculos de sol em malas portáteis e ementas fotocopiadas em cores berrantes, vestidas de marinheiros de boinas à banda e um sotaque gorduroso.
Mas ele balbucia, diante de uma surpreendente resposta com sotaque lisboeta, como se fossemos irmãos e companheiros de calçada, desculpa lá incomodar, afinal de contas é pressuposto todos nós sermos solidários na arte de bem vender o país sem os danos colaterais que a excessiva exposição solar pode causar ao turista.
Longo vai o tempo do experimentalismo dos teóricos do MIT que, nos primórdios de oitenta, utilizaram o mundo como território de experimentação da recém-descoberta teoria das expetativas, assim uma espécie de bálsamo construído em espiral que garantia que, se continuássemos a acreditar muito, a felicidade transformar-se-ia num furacão de prosperidade.
Hoje o conceito é mais transversal, não tem conotações liberais e foi libertado das universidades para as ruas através de veículos anfíbios, trotinetes elétricas e autocarros descapotáveis.

É um belo princípio, penso eu, enquanto troco olhares cúmplices especialmente com dois casais de alemães que esperam pacientemente uma hora, e duas garrafas de vinho verde esvaziadas de dentro de um balde de gelo depois, por quatro pratos de sardinhas assadas com batatas fritas.
Nós os nacionais, abraçamos a cultura na feira do livro, pedimos autógrafos às dezenas de autores portugueses que publicam e escrevem sobre o mundo sentados em cadeiras de esplanada, comemos bolas de Berlim com creme e trazemos para casa uma dúzia de garrafas de uma espécie de refrigerante levemente alcoólico, aconchegados entre os sacos de livros e os carrinhos de bebé.
Conceptualmente, é o resultado da globalização em tons de bronze
"Oh Lisbon, you have a f...wonderful light"