Pesquisar neste blogue

domingo, 5 de março de 2017

Dona Gema se hay enamorado del Sultan



O nome dela é Gema, Dona Gema
Capturada pelas tropas do Sultão, adormecida pela solidão da berma do caminho, Gema foi, segundo alguns cronistas, o princípio do fim da soberania indiscutível do velho guerreiro.
Seriam os seus olhos, os cabelos que lhe escorriam pelos ombros ou antes a sua fragilidade cristã desprovida de ambição, que enfeitiçaram as barbas brancas e a longa idade do Sultão, isso, ninguém sabe.
Ou ninguém, alguma vez ousou questionar.
Exceto o velho sábio, provindo dos confins do Egito que, conhecedor de todas as ciências ocultas, particularmente a magia, assegurou que, se o talismã indicava perigo é porque esta mulher é uma feiticeira que usa as suas formas sedutoras para enganar os incautos.
Mas o guerreiro que aspirava a paz celestial nos famosos jardins do Irão, só tinha ouvidos para o silêncio da princesa cativa e da sua lira de prata pendurada sobre o seu generoso decote.


Gema reuniu uma corte de admiradores eventuais à porta do Palácio e contou-nos a sua história, a do velho sábio que se propôs construir um jardim mais grandioso que o do Irão, tão extraordinário e inexpugnável que ninguém, do lado de fora, o poderia ver.
A princesa católica iria escrever a história num tempo futuro, a do astrólogo mágico que haveria de conceber este palácio rodeado de fortalezas inexpugnáveis e com jardins interiores, ricos e luxuriantes.
Invisível aos olhos dos mortais, protegidos por uma chave e por uma mão, poderosos talismãs carregados de uma magia oriunda dos confins do Egito

Mas a princesa católica tinha o dom de enfeitiçar os homens, porque enfraqueceu o coração e as defesas do velho sultão e deixou-se raptar pelo astrólogo para o enfeitiçar, nos confins da sua caverna, até à eternidade.
O Sultão morreu acossado pelos inimigos e os habitantes locais não encontraram nunca, nesta colina, nada mais que um terreno ermo e escabroso.
Até ao dia do Juízo Final ou quando a mão que segura a chave desfaça o encantamento que foi lançado sobre esta colina.


Gema mantem uma versão diferente da construção do palácio, a história de Alhamar o fundador do Alhambra, numa época em que o grande Califado se confinava à exígua Granada, longe vão os tempos do esplendor expansionista da grande nação moura.
Terá sido o último dos sultões unificadores do que restava do Império, mas o primeiro que rendeu vassalagem ao Rei Fernando
E construiu o Alhambra, uma fortaleza vista de fora, um retiro construído para dentro, para deleite e segurança de mais duzentos e cinquenta anos de presença árabe na península.

Gema, a princesa católica sem nome registado,

Gema, a guia intérprete do Palácio de Alhambra.

E ela, a nova Gema, calou-se e eu finalmente percebi o encantamento do Sultão lendário, ou de Alhamar, o fundador do Alhambra por esta colina.

O fascínio do silêncio, das águas límpidas que parecem nascer de todos os aposentos e jardins deste magnífico lugar, da floresta verdejante e dos tons alaranjados que submergem a paisagem, por onde quer que poisemos o nosso olhar


E os gatos sonolentos que se enroscam ao longo da porta da Justiça, que são os espíritos do velho astrólogo que imaginou este lugar, antes mesmo de se tornar visível aos mortais.
A sedução de uma lenda reside, afinal de contas, na insignificância dos detalhes históricos.
Para Carlos V, o novo conquistador católico, tristes aqueles que perderam tudo isto, para o último Sultão, a vergonha da retirada sem resistência, em 1492, e a humilhação da mãe que lhe terá acusado de se ter comportado como uma mulher na defesa do que lhes pertencia

O resto é História