Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Korcula – A outra costa de Veneza



Para alcançar a ilha, é preciso ultrapassar as muralhas de Ston, percorrer a península de Paljesac, uma quase ilha que se esgana ao chegar à costa continental e se espraia à medida que se aproxima do mar e das inúmeras ilhas do Adriático.
A quase ilha é apenas um paraíso para as ostras e para o (sobrevalorizado) vinho croata.
Quinze minutos de mar mais tarde, uma réplica em miniatura convincente do mesmo Estado Veneziano, o mesmo Adriático, as mesmas origens mas uma língua diferente, porque reinventada pela pacífica invasão dos Eslavos
Segundo consta, convidados pelos Bizantinos para os proteger das influências ocidentais e sobretudo orientais.
Na ilha de Korcula, estamos rodeados de Adriático e chove nas cornijas das igrejas, debaixo das varandas do Palácio Episcopal, arcadas venezianas por todos os becos e uma disputa inconsequente sobre o berço do Marco Polo
Respiram felicidade de Ilhéus, porque dizem ter provas documentais que esta celebridade não nasceu em Veneza mas aqui e porque os otomanos nunca cá conseguiram entrar.

Por isso não há mesquitas no Mar Adriático
Mas existe a casa onde nasceu Marco Polo