Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Palmela Jazz



Sombras e sons.
É assim que imagino os longos finais de tarde, debruçado sobre uma paisagem sem horizonte.
Propagando-se pelas ameias do castelo como as armaduras dos cavalos dos guerreiros do rei Afonso, assobiando em todas as reentrâncias, recompondo as pedras soltas de uma memória, construída sobre centenas de anos de solidão nas alturas.
O jazz alonga as sombras, não é o Sol que se põe é o saxofone que compõe as cores quentes, que reproduz o tilintar dos copos de vinho, a vinha do reinado.
A quatrocentos metros de uma altura propagada por sons fortes, todo o horizonte é de conquista.
São diferentes os nossos castelos de Portugal