Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 13 de junho de 2013

A milha dourada


 
Gran Via é a nova milha dourada para os guias turísticos da capital do (antes) Império, mas é também o que resta da velha Espanha (dos seres) de fato escuro e bigode grisalho, dos engraxadores que acompanham o ondular da grande rua que sobe da praça de Espanha até ao Callao, plana nas alturas até a saída do metro, junto ao velhinho hotel que virou Trypp, na esquina da Calle de la Montera, para voltar a descer em graciosa curva pela direita fora, até desaguar no rio maior chamado Alcalá.
Apesar das novas montras de design e das aspirações pós modernas e da moda de apelo mediático que substituíram cafés e livrarias, das salas de espetáculo que paulatinamente convertem as sessões de cinema em musicais de reminiscências anglo saxónicas (O rei é Leão), as calçadas e as fachadas clássicas da grande rua ainda transpiram a Espanha dos Ducados e dos fatos cinzentos, dos sabores clandestinos de um refrigerante invulgar, uma espécie de primavera de Madrid na década de setenta do século passado, das touradas e do flamenco, das boinas bizarras da guardia civil, dos caramelos e dos boiões de perfume de litro, das roupas cinzentas e dos óculos de sol à Alain Delon e a grande sensação chamada de Tiburón, uma grande estreia de Spielberg em versão dobrada.
 
 
Não há nada de particularmente errado nesta visão da Espanha da segunda metade do século passado, convertida a si mesmo e ao grande espaço continental, como que a lamber as feridas de um início de século alucinante e fraturante.
Mesmo que as reminiscências deste lugar nesse tempo só sejam percetíveis para quem cá tenha estado!
A única nota aparentemente disfuncional nesta grandiosidade quase decadente são as prostitutas que parqueiam, à uma da tarde, na esquina da rua pedonal entre esplanadas e lojas de moda, vigiadas por velhos com penetrante olhar de chulo (os novos velhos de fato escuro e bigodes grisalhos) perante a indiferença geral e o despeito das próprias.
Eu quase que garantia que estas almas depenadas, que ficaram presas na escala do tempo, como fantasmas pululando entre os vivos, encurralados entre o passado e o futuro, são a única prova de que provavelmente a milha dourada já foi, em tempos idos, o coração (e todos os outros órgãos vitais) da grande Espanha nacionalista, uma monarquia de Rei exilado!
Obviamente apenas evidente para quem viu o Tiburón que se exprimia em castelhano!

Sem comentários:

Enviar um comentário