Pesquisar neste blogue

domingo, 6 de maio de 2012

A parábola das Linhas de Torres

Há muitos séculos que não somos donos da nossa própria História.
Não estamos hoje, portanto, perante um facto novo!
Ontem voltei, entre montes e aerogeradores, ao início do século XIX na ondulação do relevo atlântico, a persiana norte à capital de um império que já não inspira nostalgia, sequer!
São agora cinco concelhos, cinquenta quilómetros de fortaleza de pedra e areias, armadilha de Junot e companhia, montada pela engenharia inglesa, pelo trabalho manual, em alguns registos escravizante, submisso à aliança secular.
As linhas de Torres acabaram com aquela desconfortável cisão entre a nobreza e a nobreza, pobre povo abandonado pela fuga precipitada e Real, quando nos tornámos seguidores, por falta de dimensão.
Quanto mais não seja, esta virtude repousa aos ombros da engenharia militar.
A história do mundo não conhece muitas fortalezas com final feliz e hoje dividimo-nos entre o monte dos vendavais ou fortaleza natural inexpugnável.
Tenhamos a noção que fomos apenas um campo de batalha entre titãs, as novas potências do século XIX…e nós sem fôlego, sem vontade nem convicção, exceto pela superficialidade faustosa das cortes – especialmente a napoleónica, confesso!
Aprende-se tudo isto no Centro de Interpretação das Linhas de Torres em Sobral de Monte Agraço
A História faz-se de desequilíbrios, momentos em que a sorte dos dados muda.
Hoje e na História
Voltarei em breve para ver as muralhas, porque me fascinou a forma como eles conseguiam comunicar por telégrafo ótico em seis minutos, entre o Tejo e o Atlântico!