Pesquisar neste blogue

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Downtown LX – Shadows in the Night



Por de entre as gargalhadas que ecoam na calçada velha, para lá do Carmo, multidões de jovens (vultos que riem alto, como jovens e tudo o resto, simplificações mentais) provocam o silêncio do convento ou do quartel, com as garrafas de cervejas eretas em punhos cerrados.
Entre (cai) o Carmo e Trindade, a exuberância do Chiado e a solidão dos becos que o rodeiam e dos ministérios na praça do comércio, submerge um microcosmos de seres que se alimentam da noite: mendigos encovados mas eloquentes na estação do Rossio, traficantes de haxixe nos cruzamentos da Augusta, hordas de turistas jovens que se “flasham” sem descanso, num intenso fulgor que cansa a estátua cavalo do D.José.
E também sombras que não habitam a noite, que a usam apenas como um intervalo entre a luz do dia e o conforto de um lar maior.
 
(Passos rápidos e intermitentes que voam sobre a calçada em direção ao rio)
 
A noite também escurece as personagens que a povoam!
Não são apenas os filhos de um Deus menor, os sem-abrigo por vocação ou pudor, que flutuam solitários entre as esquivas esquinas de um frio que resiste à luz branca que nos afronta das fontes do Rossio e nas fachadas da Praça do Comércio.
(Quantas pessoas pareciam esperar que ninguém os viesse buscar, debaixo do candeeiro de rua, à frente de um ecrã iluminado de telemóvel?)
E ninguém, equilibrando-se no lancil de passeio polido pela humidade e pelos reflexos da água, parece ter qualquer significado cósmico na noite inclinada da cidade.
Mas a noite não tem contraste, só sombras e reflexos e, à distância de uma objetiva vulgar, imaginamos gatos pardos, em todas as silhuetas que rolam pela rua abaixo e viela acima sem destino preciso.
A capital é um zoológico de seres, quando o manto escuro envolve a cidade, como uma selva que não identifica nem os predadores nem as vitimas, apenas os cheira e os pressente.
Frio, vozes de múltiplas línguas, sombras e reflexos de cores bipolares (bendita a predominância arrogante e ofensiva dos ofegantes e sincronizados semáforos urbanos) no asfalto e na calçada portuguesa
Sábado à noite, downtown LX!
Shadows in the night!