Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Véspera de Natal




Choveu a potes na manhã cinzenta na escura cidade do granito, ao que consta impenetrável aos terramotos e aos voos picados das renas e do pai natal.
E as pessoas fugiram do centro, as ruas ficaram mais escuras e viraram as costas às luzes e às festas, numa humidade que fustiga o vento ameaçador e gelado de um Inverno que varre as calçadas rasantes com um brilho que realça a ausência de cores e luzes de natal.
Nas traseiras da prometida consoada, descobrimos os bairros étnicos de geografias invulgares e de crenças pouco fervorosas, habitantes que povoam os recantos e as ladeiras da cidade velha e que fecham as trancas dos bazares, sem companhia nem filas de cristãos à procura de lembranças fluorescentes, e procuram evitar as armadilhas dos buracos que se enchem de água e lama, praguejando em línguas estranhas contra os incompreensíveis desaforos dos locais.




À procura de um refúgio seco e incólume à adoração aos santinhos e às figuras de presépio que aguardam o nascimento do menino.
As tabernas destilam a jargão vernáculo, tão longe das cabanas de palhota e dos burrinhos e das vacas que adoram o nascimento de um mito, tão próximo do casario descrente e desolado, do bafo envelhecido dos que acreditam que a consoada é um copo de vinho tinto entornado no balcão comprido de pedra fria da tasca obscura da calçada que se inclina dos jardins até ao rio.
As pessoas fugiram do centro e as ruas ficaram mais escuras.
Quando a chuva regressa com o final de tarde, o céu de chumbo despeja impropérios e afugenta os últimos seres normais que procuram encontrar um beiral que os albergue
Para o outro lado do jardim, para longe da outra face da véspera de natal!